Faço da ausência do vento
um suave momento
de alento
em meu vasto peito.
Pelo ar que guardo
em meus pulmões
sopro um pote de letras
de minha coleção,
guardado numa aquarela
de sete cores
no fim do arco-íris
e abro um caminho
no tempo
com meu mágico
imaginário
pincel.



Do amador, lírico, poético e arrumador de palavras
Luis Lima

Ultima atualização: 19.03.2016